Khamzat Chimaev provou ser uma ‘fera’, mas, perto de Kamaru Usman, ainda é um ‘gatinho’

Luta contra Gilbert Durinho no UFC 273 provou que sueco é muito acima da média, no entanto, é perigoso compará-lo ao ‘Pesadelo Nigeriano’

K. Chimaev (dir.) é o atual número três da divisão liderada por K. Usman (esq.). Foto: Reprodução/Instagram

Cinco lutas, cinco vitórias. Este é o retrospecto, até agora impecável, do confiante e promissor Khamzat Chimaev com as luvas do Ultimate. No UFC 273, o sueco fez valer a confiança depositada pela organização e passou pelo maior desafio de sua carreira, ao superar, por pontos, Gilbert Durinho. A pergunta que fica é: o ‘Bicho-Papão’ dos meio-médios (até 77kg.) está pronto para o ‘grande chefão’, Kamaru Usman? Tentarei responder o questionamento nesta edição do BLOG DA REDAÇÃO.

Veja Também

É fato – basta assistir às quatro primeiras apresentações de Chimaev no Ultimate – que Khamzat não teve dificuldades em seus primeiros desafios na organização. Contra John Phillips, Rhys McKee, Gerald Meerschaert e Li Jingliang, o lutador massacrou praticamente sem ser tocado.

Em 9 de abril, porém, atleta, chamado de ‘fenômeno’ por Dana White, teve seu pedido atendido e encarou um representante da elite dos meio-médios. Mesmo confiante, Khamzat não conseguiu cumprir a promessa de que atropelaria Durinho de forma relâmpago.

Contra o brasileiro, o sueco suou, sangrou e, pela primeira vez na carreira, não conquistou um resultado positivo na via rápida. Foram necessários três rounds muito disputados e, há fãs do MMA que viram vitória do niteroiense.

Suou, mas passou. E agora?

Na minha concepção, caso Chimaev ‘passeasse’ contra Gilbert, não haveria outra saída a não ser dar uma disputa de cinturão ao pupilo de Dana. Afinal, Durinho representa mais do que um grande desafio dentro da companhia, já que foi um dos poucos que se aproximaram de derrotar o excepcional Kamaru Usman, em 2021.

Longe de mim querer tirar os méritos do resultado positivo de Khamzat, até por respeito ao ex-desafiante ao título da categoria até 77kg. A performance, no entanto, apesar de convincente, mostrou que o sueco de 27 anos está alguns degraus abaixo do melhor lutador do UFC na atualidade.

Escalar Chimaev para enfrentar Usman no momento pode ser um ‘tiro no pé’ dado pelo próprio Ultimate, que deposita publicamente suas fichas no jovem combatente. O confronto que faz sentido, agora, é Chimaev contra Colby Covington – embate que faz sentido tanto esportivamente quanto financeiramente.

Por que não Usman?

‘Chimaev provou ser uma fera, mas monstro mesmo é Kamaru Usman’. A frase poderia ser usada para iniciar qualquer discussão que envolva como tema o combate entre Khamzat e o atual campeão dos meio-médios.

Antes mesmo de se tornar o dono do trono da categoria, o ‘Pesadelo Nigeriano’ colecionava vítimas no octógono e, desde que vestiu o título, tem mostrado evolução constante. As conquistas pessoais do atleta fizeram com que ele tomasse o topo do ranking dos peso por peso do lendário Jon Jones, além de se aproximar do recorde histórico do nosso amado Anderson Silva.

Monstro no wrestling, perigoso na trocação, Usman detém características que podem fazê-lo ostentar o ‘codinome’ de Superatleta. Privilegiado fisicamente, o nigeriano, se não finalizar ou nocautear, é capaz de levar os adversários às águas profundas por 25 minutos, se assim for necessário.

Inteligente, estratégico e contundente, Kamaru, hoje, detém a segunda posição no ranking de maior sequência de vitórias dentro do UFC. Ao todo, o atleta soma 15 triunfos, um a menos do que o lendário Anderson Silva, que ainda ocupa o topo da lista.

É inegável que, se vencer em mais uma apresentação, caso se cumpra o desejo de Dana White e Chimaev, de fato, enfrente Colby Covington, o sueco se encontrará com o ‘Pesadelo Nigeriano’. Obviamente, a análise considera que o campeão faça valer o favoritismo e vença o confronto contra Leon Edwards, que ainda não tem data confirmada.

É fato que cada caso é um caso. Cada luta é uma luta. No entanto, Chimaev foi capaz de aplicar seus melhores golpes e, ainda assim, não pôde superar a alta resistência de Durinho no UFC 273. Usman, por sua vez, soube suportar a pressão quando enfrentou o brasileiro. Como recompensa à superação, um nocaute fulminante, que adiou o sonho do niteroiense em assumir o topo dos meio-médios.

Ou seja, o que Khamzat suou para conseguir em 15 minutos, Kamaru o fez com menos tempo, mesmo tendo 25 minutos disponíveis para lutar.

Prego, sim, respeito a Chimaev. Porém, ‘copio e colo’ o título desta edição: ‘Khamzat Chimaev provou ser uma ‘fera’, mas, perto de Kamaru Usman, ainda é um ‘gatinho’.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.